skip to main | skip to sidebar

EU, ELDER F.


Livros, filmes, fotografias e histórias contadas pela metade.

Resenha: 'O Próximo da Fila' - Henrique Rodrigues

É depois que deixamos de ser estudantes, quando começamos a trabalhar e aos poucos vamos nos tornando uma cópia mais nova dos nossos pais, que começamos a nos perguntar se um dia, sem quê nem pra quê, vamos encontrar a felicidade lá perto do fim do expediente. Às vezes ela até que vem, ainda que se fazendo de difícil. O protagonista de "O Próximo da Fila" sabe ao que me refiro, com a única diferença estando no fato de que a face de estudante e a de trabalhador se mesclam na sua vida ao mesmo tempo em que ele amadurece, a inflação cresce e a responsabilidade da vida adulta se adianta inevitável. 

Em "O Próximo da Fila" do carioca Henrique Rodrigues, a vida é essa grande cadeia de fast-food onde não passamos de empregados seguidores de um padrão que nutre em alguns de nós a esperança de um dia sermos os funcionários do mês. O narrador da história, que de forma incômoda pode se relacionar ao leitor em diferentes níveis de intensidade, depara-se com a necessidade de começar a vida adulta logo após o falecimento do pai. Com a situação complicada em decorrência da desvalorização do dinheiro por causa da inflação, o protagonista se vê obrigado a começar a trabalhar em uma cadeia de fast-food em um horário diferente do que vai para escola.

Em um acidente de trabalho, o narrador queima as duas mãos na chapa da cozinha, deixando para trás um pedaço da sua própria carne queimada na chapa quente. Como se não houvesse mais um futuro para ser lido na sua linha da vida desde o incidente, ele segue adiante com as feias cicatrizes onde antes residiam as linhas da sua mão. Em decorrência do trauma e do próprio medo da gerência de que um processo fosse movido contra a franquia, o protagonista é transferido para o caixa. No balcão, enquanto espera o próximo da fila, ele passa a catalogar os clientes e a desabafar em guardanapos as suas frustrações diárias.
"O bolo de guardanapo vai crescendo aqui. Renderia algo, um livro? O guardanapo é o novo papiro."
A leitura segue um ritmo linear que, para a minha mais intensa felicidade, foge daquela fórmula onde há um segredo que aos poucos vai sendo desvendado na história. A leitura de "O Próximo da Fila" é rápida ao passo que a história é contada em capítulos curtos que convidam o leitor a acompanhar a evolução do personagem. Ao apresentar o universo por trás do caixa, o escritor nos leva a pensar que, durante a nossa vida, sempre estivemos atrás de um balcão antedendo aos pedidos e as expectativas do próximo da fila.

A inspiração para o livro surgiu a partir de uma poesia do autor onde ele relata a vida de um eu-lírico que, como o personagem da obra, também trabalha em uma cadeia de fast-food. "O esfregão se passa em formato de oito/ Símbolo do infinito/ Andando pra trás", dizem os versos de um poema que, quando acompanhado ao livro, falam da vida que vai além do próximo da fila e da esperança que sempre volta no fim dos expedientes. Ao final da leitura uma dúvida paira, perguntando até que ponto o autor contou na história do protagonista uma parte da sua própria história.

Título: O Próximo da Fila

Autor: Henrique Rodrigues

Ano: 2015

Páginas: 192


Editora: Record

5 comentários:


  1. Olá, tudo bem??

    Eu sou apaixonada por livros que nos fazem refletir... E com certeza esse é um desses! Sempre nos trazem um aprendizado e propiciam um crescimento. Adorei a resenha e já quero ler o livro, principalmente pelos capítulos curtos hehehe

    Achei bem interessante a proposta e a relação pode ter com a vida do autor e de muitos outros

    XOXO
    Umnovo-roteiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, uma proposta diferente com uma história diferente, acho que vale a pena ler a obra sim :)

      Excluir
  2. Tenho uma curiosidade afável (?) por esse livro. Eu amo o seu estilo mesmo sem ter o lido .-.

    ResponderExcluir