skip to main | skip to sidebar

EU, ELDER F.


Livros, filmes, fotografias e histórias contadas pela metade.

Balões - Conto

Caminhavam aos domingos como para extrapolar, respirar coisa diferente. Saiam mãe, pai, filhos e uns amigos por vezes. O menino mais velho, outrora mais apegado aos pais, implicava sempre com brinquedos, guloseimas, mas sufocadamente implorava por balões. Era costume, era besteira, mania de criança, não importava, queria os balões. De variadas formas, de diferentes preços, uns de um vermelho forte, escuros, azuis ou cor de pêssego. E chorava em desespero por um que fosse dos cheios casulos de ar, na tentação os fitava e exasperado pedia aos berros que nem sempre existiam, nem sempre eram reais. Diversões, asneiras e por alguns instantes até se esquecia que um dia quis balões, mas logo se lembrava.

Balões sufocados, que não trocam com o externo o essencial de si. E se trocam e tem oportunidade de entrar em contato com a vida aqui fora, de unir seu intimo ao natural de todos, ou é de início, quando descobrem o seu quase viver através de sopros, ou é de fim, quando o quase viver é espalhado num estampido forte, um barulho tremendo, quase que uma confusão, um “bom” de bomba que explode em meio à natureza.

Foi mudando de dente, virando gente no meio de gente e conhecendo o mundo longe das diversões. Aos domingos iam todos a praça, por vezes com rapidez, outras vezes docemente demoradas, os assuntos iam se mudando, constantemente olhares se cruzando ávidos por sentimentos. Já mais maduro, mas novo por dentro, comprou, com seus poucos trocados, uns balões, lá mesmo, pelo antigo caminho da praça. Ainda morava com os pais e a família era a mesma, a casa, a praça, os passeios, só não as vontades. Segurando todos os coloridos balões nas mãos que se descobriam a cada dia, os foi soltando, deixando que voassem e fossem viver longe daqui ou o mais longe que pudessem. Tomavam altitude e aos poucos iam sendo impedidos de subir pelos raios de sol, iam se fenecendo, morrendo, como os desejos que já morriam no menino, os desejos devorados por outros desejos.

2 comentários:


  1. este é um dos poucos blogs que gosto de visitar^^
    Mt bom os textos.
    Quanto à "balões", bom, sempre queremos um.

    ResponderExcluir
  2. Esse é o meu preferido...

    ResponderExcluir